Zé Carije um Coiteense que virou Mito no Futebol Amador da Bahia.


     Dono de uma linda história de mais de 20 anos dentro do futebol amador da Bahia , o Coiteense Zé Carije escreveu  no ultimo dia 08 ( janeiro  - 2017 ) mais um capitulo na sua brilhante carreira.



   A conquista do inédito titulo do Intermunicipal a frente da Seleção de Itaberaba, era o que faltava para completar de vez o inicio de uma brilhante carreira como treinador.




    O  primeiro desafio como técnico surgiu em 2014 quando aceitou o comando da Seleção de Santa Luz e no seu primeiro ano levou a Seleção Luzense a final sendo vice Campeã.



    Já em 2015, foi parar no sul da Bahia comandando o Selecionado de Ibirataiense, onde levou a seleção entre as 10 melhores.



   Por isso que este titulo como treinador não veio atoa , e é fruto de muito trabalho ao longo desses mais de vinte anos representando a cidade coiteense e o futebol amador da Bahia.



    O seu grande respeito dentro do futebol começou bem sedo na conquista dos três títulos 2005 - 2006 - 2007 vestindo as cores de sua cidade conceição do Coité. 



   Carije depois de conquistar os títulos por sua cidade - Coité, defendeu as cores da Seleção Araciense em 2008,Serrinha em 2010,Valente 2011,Santo Antonio em 2012 e Santo Amaro.




    Daí por diante ´foram varias competições , vestiu a camisa  de varias Seleções e conquistou o  respeito e confiança   dos amigos dentro e fora dos gramados . 



  Se dentro das quatro linhas era tido como um xerife, não foi difícil  para esse Coiteense  conquistar seu espaço e respeito até pelos seus adversários. Atuando como zagueiro, Carije era um jogador de grande técnica que sabia jogar com a bola e sem a bola.




   A conquista do titulo do Intermunicipal foi apenas o inicio de uma grande história como treinador



      Fonte SupapoEsporte 11 de janeiro 2017
Axact

Axact

Vestibulum bibendum felis sit amet dolor auctor molestie. In dignissim eget nibh id dapibus. Fusce et suscipit orci. Aliquam sit amet urna lorem. Duis eu imperdiet nunc, non imperdiet libero.

O que achou?:

0 comments: